domingo, 3 de outubro de 2010

O que fazer com os embriões excedentes?







VEJA aborda uma questão de cunho ético e científico que está cada vez mais presente na sociedade: o destino que deve ser dado aos embriões excedentes dos tratamentos de fertilização in vitro. O tema vem à baila um ano após a histórica decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em favor das pesquisas no país com células-tronco obtidas de embriões nessas condições. A discussão no STF esteve permeada por argumentos religiosos e emocionais, tanto por parte da Igreja quanto da comunidade científica. 
Como o estado brasileiro é laico, quais dos destinos abaixo e argumentos vc concorda? Justifique sua resposta a partir de pontos de vista centrados no embasamento oferecido pela ciência. 




Veja mais em: http://veja.abril.com.br/170609/p_104.shtml

19 comentários:

  1. O desenvolvimento de pesquisas com células-tronco é um assunto que está em bastante discussão na sociedade moderna, pois abrange várias áreas como a emocional,moral,religiosa,ética e científica.
    Sou a favor da preservação por congelamento e da doação desses embriões par pesquisas científicas.
    Primeiramente da preservação porque os embriões podem vir a ser utilizados pelos próprios casais no futuro,por exemplo para tratar alguma doença na família, os embriões podem ser utilizados para descoberta de tratamentos.
    E da doação desses embriões para pesquisas porque o destino deles pode vir a salvar vidas ou melhorar as condições de pessoas que apresentam uma determinada doença , por exemplo. E quem sabe através dessas pesquisas possa ser achada até a cura para a aids.

    Geise Bertoldo

    ResponderExcluir
  2. É realmente, o desenvolvimento de pesquisas com embriões excedentes de fertilizações em vitro é um tema que causa muita discussão, pois envolve ética, religião e esperança de cura.
    Eu concordo com a preservação por congelamento desses embriões pois futuramente podem ser usados por casais inférteis. Essa alternativa é bem melhor do que descartá-los. Não concordo com a doação deles para pesquisas científicas, pois na minha convicção querendo ou não eles já são parte de um ser vivo e só quem pode tirar a vida de um ser humano é o seu próprio Criador --> Deus, qualquer coisa fora disso é crime!!

    Gisele Bertoldo
    BITECNOLOGIA - UFAM

    ResponderExcluir
  3. Este é um assunto realmente polêmico, mas na minha opnião os embriões deveriam ser doados para pesquisas científicas ou para casais inférteis mais devem ter uma destinação, pois muitas vezes os embriões passam muito tempo congelados e acabam perdendo sua funcionalidade,como por exemplo, para pesquisas de células troncos os embriões tem validade máxima de 3 anos e muitas vezes esse tempo é excedido, gerando um desperdício de material para pesquisas científicas e também um verdadeiro desperdícios de vidas, pois tiram a oportunidade de cura para alguns e a vida dos embriões.
    Luna Lacerda

    ResponderExcluir
  4. Sou a favor da vida,mas morte e vida estão muito relacionadas,vemos isso em vários extratos da natureza.Enfim optaria pelas pesquisas ciêntíficas ,principalmente com células-tronco,pois esta tem demonstrado resultados favoráveis a inúmeras doenças degenerativas.

    ResponderExcluir
  5. Dos argumentos citados, optaria pela preservação por congelamento, que já se liga às doações para pesquisas científicas e casais inférteis. Preservando os embriões, o casal pode decidir se vai querer usar mesmo ou se prefere doar pra casais inférteis. Ou então, dependendo do tempo do congelamento, pode ser doado para estudos a favor da célula-tronco para ajudar na cura de doenças.

    Cláudia Nayara

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. No meu entendimento o melhor a se fazer, ou doar o embrião para uma pesquisa científica que pode ajudar nas descorbertas sobre pricipalmente sobre as celulas-tronco, ou ceder à casais que não possam ter como gerar um filho "normalmente".

    Vitor Costa
    Biotecnologia - 2°Periodo

    ResponderExcluir
  8. Eu concordo com a preservação por congelamento para aqueles casais que pretendem e também possuem condições para ter mais filhos posteriormente. Para aqueles que não tem condições, uma boa alternativa é doação para pesquisas científicas, para solucionar problemas de saúde, algo muitíssimo importante para todos nós. Ou a doação para casais que gostariam de ter um bebê e não podem. Descordo totalmente com o descarte, tanto pelo lado emocional (assassinato) quando pelo lado científico (é extremamente útil!)

    ResponderExcluir
  9. Eu acredito que a melhor opção seria a doação para pesquisas científicas que utilizasse esses embriões para encontrar soluções de doenças que não têm cura e afetam várias pessoas.

    Fernanda Celine Batalha Coutinho
    Biotecnologia UFAM

    ResponderExcluir
  10. Acredito que nestes casos a melhor opção seria a doação para pesquisas científicas,para que apartir daí possam surgir novas descobertas, novas soluções e ate mesmo curas de doenças ate hoje incuráveis,é bem verdade que mesmo não estando desenvolvidos já são uma vida,e no meu entendimento nessas situações entrega-los para pesquisas não seria um ato de desumanidade ou uma afronta contra a criação,muitas e muitas tentativas irão falhar verdade mas em contra partida muitas outras irão ter sucesso,e neste caso vidas serão salvas, muitas delas se for olhar pela perspectiva de doenças sem curas que matam centenas de pessoas, por isso a meu ver entrega-los a pesquisa não seria uma opção descartável por que será uma vida ainda não desenvolvida que pode até não se gerar, por outras milhares atrás de curas .Ou então a meu ver a doação destes para casais inferteis e que desejam este embrião, seria também uma boa opção se há a oportunidade de gerar uma vida por que não o fazer?.

    ResponderExcluir
  11. Rafaela Oliveira-
    Biotecnologia/UFAM 2°Período

    ResponderExcluir
  12. Como pesquisador, eu concordo com o ponto de vista cientifico. Se os embriões não serão mais utilizados pelo casal, porque não doa-los para as instiuições? Com pesquisas, pode se obter mais avanço e melhorar a vida de alguns doente.


    Janilson Moraes Serudo
    Biotecnologia- UFAM

    ResponderExcluir
  13. Sou a favor da doação para pesquisas científicas,pois creio que essas pesquisas venha trazer beneficios para a sociedade como curar doenças.Seria um avanço para a sociedade de extrema importância.

    Letícia Lopes
    Biotecnologia-Ufam

    ResponderExcluir
  14. Creio que o ideal seria a preservação dos embriões tanto para uso futuro do casal quanto para os que infelizmente são inferteis. A idéia de doar s embriões para fins científicos não deixa de ser tentadora, já que os beneficios desses estudos seriam imensos, porém eu mesma talvez não tivesse coragem para doar um embrião para fins científicos, porque assim como muitas pessoas, também encaro um embrião como uma vida e o meu lado não só religioso como emocional interferiria muito.

    Jennifer Salgado da Fonseca
    Biotecnologia - UFAM

    ResponderExcluir
  15. Concordo com os três primeiros destinos que defendem o congelamento desses embriões, visto que podem ser utilizados futuramente pelo casal (primeiro destino), ou ainda, ser fonte de solução para problemas de saúde, como mostra o segundo destino. O terceiro destino também mostra-se agradavelmente eficiente diante, por exemplo, da opção de descarte: não há argumento que faça o descarte ser uma solução para esses excedentes!

    Igor Lobo
    2º período de Biotecnologia

    ResponderExcluir
  16. O descarte e o abandono eu não aceito, pois quando o casal é submetido a um tratamento como esse, eles sabem os efeitos e possíveis consequencias que poderão estar submetidos. Logo, descartar uma vida ou simplesmente abandonar seriam um desperdício além de uma falta de ética absurda por parte dos pais. Já utilizá-los para uma pesquisa científica podendo melhorar as próximas gerações tanto deixando outras pessoas satisfeitas com o tratamento (no caso de casais inférteis) como congelando para futura utilizacão, além de úteis seriam de extrema importância para a sociedade, já que a técnica (de alto custo) não precisaria ser utilizada novamente quando precisasse de um embrião para estudos ou para outro casal,economizando o que poderia ser utilizado em outras pesquisas e novas técnicas.

    ResponderExcluir
  17. Eu sou a favor da doaçao de embrioes para pesquisas cientificas, eu tenho a clara convicçao da necessidade destas doaçoes pois so assim poderemos melhorar a vida, adiando envelhecimento e doenças oriundas dele, doenças geneticas, hereditarias ou adquiridas. Merecemos um avanço nas PesquisaS, afinal descobriu-se uma gama de aplicaçoes das celulas tronco, e no entanto a ciencia continua estacionada por tabus envolvidos. Deve-se buscar cada vez mais avanços cientificos, mesmo que isso tenha um custo, ainda mais neste caso que se nao usados estes embrioes serao perdidos, desperdiçando futuras aplicaçoes na saude de seus usuarios. Deve-se saber separar opinioes proprias, crenças ou culturas, da necessidade de se descobrir cada vez novas tecnicas de avanços na biotecnologia.

    Lourayne Chazan
    Biotec UFAM

    ResponderExcluir
  18. a doação para pesquisa é mais racional e justa. uma pessoa pode ser beneficiada com tratamentos e
    prolongar a vida, enquanto que um embrião congelado não desenvolveria -se naturalmente sendo confinado até sua invalidez. é muito mais desumano e vil. os dogmas podem e devem ser quebrados, o conhecimento é uma dádiva e não pode ser negligenciado.
    marcos aurelio UFAM BIOTEC

    ResponderExcluir